Minas

Depois do cobarde abandono da população saharaui pela Espanha, a Frente Polisario luta para defender o seu território, protegendo a população civil no sua fuga. População que é massacrada pela aviação marroquina com bombardeamentos de napalm e fósforo branco, que causaram inúmeras vítimas entre mulheres, idosos e crianças.
 
Em 1991, foi estabelecido um cessar-fogo entre Marrocos e a Frente Polisario. Uma trégua é assinada, e a data de 26 de janeiro de 1992 marcada para a realização do referendo. As Nações Unidas aprovam uma resolução que detalha o calendário do plano de apoio e cria a MINURSO (Missão das Nações Unidas para o Referendo no Sahara Ocidental). Estabelece-se no dia 6 de setembro daquele ano como a data do cessar-fogo e no dia 26 de janeiro de 1992 para o referendo. Ambos são aceites pelas partes, mas o referendo nunca é realizado.
 
O Marrocos aproveita essa trégua para reforçar os muros que dividem o Sahara Ocidental de norte a sul, com mais de 2.700 km de extensão, e que começaram a ser construídos nos anos 80 para impedir as incursões de Polisario. Em ambos os lados deste terrível muro, Marrocos dispersa entre 7 e 10 milhões de minas, de acordo com as Nações Unidas, tornando o Sahara Ocidental um dos territórios com maior concentração por minas e bombas de fragmentação no mundo.
 
Mais de 2.500 pessoas, de acordo com dados do Landmine Monitor Report, foram feridas, mutiladas ou mortas por minas espanholas, italianas, portuguesas, chinesas, inglesas, belgas e soviéticas espalhadas pelo território saharaui desde 1975, além de bombas de fragmentação fabricadas nos Estados Unidos e bombas de 250 a 950 kg. com detonadores atrasados lançados pelos aviões Mirage F1 e F5 nas diferentes incursões das Forças Armadas Reais Marroquinas. O forte siroco, o movimento de areia e chuva moveram e enterraram muitas delas, e portanto não há uma localização precisa das minas.
 
Ainda hoje, passar pela área é desafiar a morte. A cada ano, 20 a 30 novas vítimas continuam a sofrer as suas consequências. Os incidentes mais recentes ocorreram em 13 e 14 de dezembro, onde dois carros com civis saharauis foram vítimas da explosão de minas, resultando numa morte e vários feridos graves.
 
O drama das minas é mais um aspeto da ocupação cruel do Sahara Ocidental por parte de Marrocos. Drama que ninguém fala e que a União Europeia insiste em silenciar assinando acordos comerciais com o ocupante marroquino contra as decisões do seu próprio tribunal de justiça.
4 visitas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.